Produção agropecuária que conserva o Pampa

Alianza del Pastizal: produtores rurais unidos pelo bioma

A Alianza del Pastizal

Reunimos produtores rurais e organizações que trabalham pela conservação ambiental no Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. Nosso objetivo é promover sistemas de produção agropecuária mais eficientes que funcionem em harmonia com o bioma Pampa. Desse modo, o campo nativo é conservado, a biodiversidade de fauna e flora continuam presentes e os produtores da região seguem com um bom rendimento econômico, completando o círculo que mantém o equilíbrio local.

Produção de carne

Valorizamos a cultura pecuária no bioma Pampa que é tradicionalmente feita de modo extensivo há gerações. Estamos de mãos dadas com todos os produtores rurais e pecuaristas que desenvolvem suas atividades sobre campo nativo e conservam ao menos 50% da sua propriedade com vegetação natural.

Session_2_Photo_Bird_2x.png
Session_2_Photo_Gado_2x.png

Conservação da biodiversidade

A ocupação dos campos nativos pela pecuária tradicional no Rio Grande do Sul manteve o Pampa vivo. Hoje, o manejo sustentável desta área é a esperança da conservação do segundo bioma mais ameaçado do Brasil: o Pampa. Através de técnicas que aumentam a produtividade pecuária, as espécies nativas de fauna e flora continuam presentes e equilibrando o planeta.

Quatro países, um mesmo bioma

O Pampa é um bioma com características biológicas, culturais e econômicas únicas. Formado por grandes extensões de campos naturais que vão do sul do Rio Grande do Sul até a Argentina, Paraguai e Uruguai, abriga 12 espécies de aves globalmente ameaçadas de extinção como é o caso do veste-amarela (Xanthopsar flavus), dos caboclinhos (Sporophila palustris) e (Sporophila cinnamomea) e da noivinha-de-rabo-preto (Xolmis dominicanus).
 
O Pampa teve sua conservação garantida durante séculos pela prática da pecuária em campos naturais nesses quatro países, mas hoje está ameaçado pelo uso intensivo das terras para agricultura, pela invasão do capim-annoni e javalis, espécies exóticas, o florestamento com pinus e eucalipto, o uso indevido de pesticidas e o sobrepastoreio. Essas atividades representam um risco não só à biodiversidade do Pampa, mas também à cultura da região, que está intimamente ligada aos campos de criação de gado. Por isso, Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai se uniram com a Alianza del Pastizal para proteger a região.